domingo, 20 de maio de 2018

Aniversário do nosso fim.




Fulano é pra você que ainda escrevo. Pensei em começar assim esse texto, mas após a primeira frase e o ponto final estabelecido por mim e pela gramática que, diga-se de passagem, é minha pior inimiga, percebi que eu não conseguiria continuar. A vida andou, mas esse assunto já não flui mais faz tempo. 

Você percebe que a vida andou quando seu primo sobra numa curva e cai. Quem mandou andar de moto em alta velocidade numa madrugada de chuva? Nossa família é agitada, daí me ligam às duas da manhã e só venho perceber que estou de short, blusa de alça e chinelo de dedo ao me encarar na vidraça da recepção do hospital emergencial. É sempre assim, a vida anda e a gente não nota, o tempo passa e nos assustamos ao nos depararmos com a realidade expressada pelos espelhos. 

Você enfim nota que a vida andou, quando batem na traseira do seu carro e você aceita R$ 100,00, pois está ocupada demais pra perder tempo com perícia. Você aceita que amadureceu quando vai pra cama com um homem por desejo e depois volta pra casa feliz da vida sem imaginar o nome dos filhos. O amadurecimento traz a falta de crença no amor eterno e sua vida amorosa passa a funcionar por agenciamentos semanais, os atores se tornam meros freelancers e o coração agora é seu, a gestão é de sua responsabilidade, você decide quem fica e quem vai. Percebe que é mais caro manter funcionários fiéis. 

A vida anda e você passa a encarar com naturalidade que o homem que você ama hoje, não é o mesmo que você amou há um ano e não será o mesmo que amará mês que vem. O amor de hoje pode pegar um avião e ir embora. Apenas uma mulher madura consegue voltar pra casa sem querer morrer depois de entregar o homem da sua vida daquela semana a um portão de embarque. 

Você percebe que a vida andou quando lê algum texto bem antigo e sente uma pontinha de saudade de sentir toda aquela loucura que é amar de verdade. Você enfim percebe que suas amigas estavam certas ao falarem que a “vida anda” e “tudo passa” ao encarar o calendário e notar o aniversário dos amores mortos. 

Fulano é pra você que ainda escrevo, mas a vida anda, sabe? Eu só percebi que a minha vida andou, que você passou, que o amor acabou, quando sentei aqui hoje pra escrever um texto sobre nós dois, sobre nosso aniversário e não consegui. 

Parabéns por não completarmos mais um ano, por você ter conseguido me vencer, por você ter me feito desistir. Parabéns, você ganhou, você passou, me perdeu e agora a minha vida anda (sem você).