sexta-feira, 1 de junho de 2018

Amor, a contínua ressignificação!





Primeiro a gente chora, grita para o mundo inteiro saber da nossa dor, arruma confusão, esperneia, ameaça, sente ciúmes, sente medo, impõe presença, faz chantagem. Ainda com todo o desgaste físico e emocional, a dor, a lembrança, a saudade, o amor continuam dentro do peito. Você não dorme, não vive, não come, não existe, a sua essência foi sugada e o sonho acabou. 

Em seguida a gente pergunta o porquê. Tenta resolver, propõe soluções e acha culpados. A gente fica intimidada, encolhida, inquieta, sente raiva de si e do mundo. A gente sente saudades, sofre, quase morre, entra em depressão, engorda horrores e por conta disso se enfurna em casa. A gente escreve textos em blogs internet afora, chora rios de lágrimas de profunda angústia. A gente lê um monte de bobagem sobre autoestima, búzios, tarô, runas, simpatias, energia, vidas passadas. Qualquer um, qualquer coisa por favor me dê esperanças, qualquer coisa que traga de volta o cheiro, o toque, o amor, a essência. Mas apenas a ausência se manifesta.

Depois a gente espera, deposita as últimas fichas de esperança no tempo. O tempo é a promessa de felicidade que vencerá a saudade trazendo uma nova vida, que misteriosamente baterá a sua porta a qualquer momento. Enquanto isso a dor continua, a lembrança está lá, ambas intactas, imponentes... Únicas. 

Após atravessar todas as fases do fim é que a gente percebe que elas são essenciais para recompor nossa essência destruída e nos ensinar algumas verdades, mesmo que passageiras, sobre a vida, as pessoas e as relações. No fim de tudo é que a gente percebe que se uma pessoa não te trata da forma que você merece, algo está errado nas suas escolhas, pois ser feliz no mundo efêmero que vivemos é escolher certo.

Depois é só alegria, o choro cessa, o sorriso volta, o peito se abre e um novo olhar aparece, um outro cheiro te conquista e um abraço forte novinho em folha te acolhe. O seu amor, cansado, surrado, melancólico, infeliz e desprezado renasce mais lindo e revigorante em um novo sorriso. De repente você olha pra trás e tudo faz sentido. Você percebe enfim que só sabe a mulher maravilhosa que você é aquele que se permite te amar. Aqueles que te abandonaram só se deparam com esta realidade ao perderem o seu encanto de vista. Mas não adianta dividir a vida, os sonhos, o carinho, o amor com alguém que desconhece a beleza de se viver a dois, a leveza do seu sorriso, a sinceridade das suas palavras, a nobreza dos seus atos, não é mesmo?

Você percebe finalmente que as dores existem para serem ressignificadas, os não amores para serem esquecidos e a felicidade pra ser celebrada, de preferência bem acompanhada. Descobri isso a caminho da praia, de férias e com o banco do passageiro ocupado. Cansei de chorar por um amor renegado, bandido e pedinte sobrevivendo a migalhas. Quem sabe o sol, o mar, o calor e o novo abraço gostoso que encontrei pra me aconchegar sejam o primeiro passo de uma nova fase de mim.

Um comentário:

  1. Que texto lindo! Com certeza ele representa o que essa parte da vida é para todas as pessoas, mas em uma coisa eu concordo totalmente no texto que não dá para viver, amar se dedicar a alguém que não reconhece a sua beleza, não só a exterior mais a interior e que não reconhece o quão valiosa você é. Belíssimo texto.


    www.ospaposfemininos.com

    ResponderExcluir

Conte-me mais sobre isso!